Arquivo da tag: perfumes

Lady Gaga estava meio sumida com suas excentricidades, mas deve ser por este motivo: lançou seu próprio laboratório de fragrâncias, o Haus Laboratories, e inaugurou o portifólio da marca com o perfume Lady Gaga Fame. O Haus foi fundado em parceria com a empresa Coty (que lidera marcas de perfumes).

O “Lady Gaga de ser” não ficou de fora do perfume: ele é um líquido negro, com fluído “black-to-clear” – quando entra em contato com a pele e o ar, o líquido fica transparente. Segundo a marca, o black-to-clear é exclusivo do perfume até então neste mercado.

Os perfumes geralmente têm a estrutura “pirâmide olfativa”, hierarquia de notas olfativas com cabeça, coração e fundo. Essa fragrância, por outro lado, tem uma estrutura chamada tecnologia “push-pull”, onde os ingredientes interagem para realçar diferentes aspectos olfativos de cada nota ao mesmo tempo, sem que haja qualquer hierarquia.

Os acordes trabalham juntos para criar uma fragrância de elementos floral e frutado. Há a fusão de mel, açafrão e néctar de damasco, e a camada floral de tiger orchid e jasmim Sambac.

No Brasil, seu lançamento será apresentado na Beauty Week (evento da indústria de cosméticos de luxo), nos dias 18 e 19 de julho de 2012. O perfume estará disponível a partir de 12 de setembro deste ano mundialmente.

Qual será o resultado dessa mistura toda, sem hierarquia definida? Estou curiosa pra saber e setembro pretendo experimentar lá nos EUA pra vir contar aqui no blog.

17/08/2010 | Por Viviam Santos | Variedades | , ,

Há um tempo vi alguns textos de Chandler Burr, crítico de perfumes do The New York Times, traduzidos no site do Uol. Lá há as críticas dos perfumes de marcas reconhecidas, as mais famosas, conceituas – ou não. O título do post é referência ao livro de ficção escrito por ele, “O Imperador do Olfato: Uma História de Perfume e Obsessão” – que é encontrado no Submarino.


Chandler é um jornalista americano e não tem papas na língua para, se precisar, falar que a fragrância é ruim – mesmo que sejam perfumes famosos. No geral, ele define muito bem as notas e as características de cada perfume – tanto feminino quanto masculino. O que é um tanto difícil – eu mesma não sei se saberia descrever as fragrâncias tão bem, com tanta experiência para comparar.

Cada perfume é rotulado por ele de acordo com o que ele analisou: Não respire, Inofensivo, Perfeitamente Inalável, De tirar o fôlego, Quase uma plástica no nariz e Transcendente.

Embora cada pessoa tenha um gosto, que envolve vários fatores que já citei neste post sobre perfumes – que foi bem pesquisado e com as citações de um perfumista -, a gente sempre procura uma opinião alheia. É bom dar uma olhada no que um especialista do assunto acha e conferir em uma loja se é mesmo verdade; ou simplesmente arriscar através da opinião dele sem antes sentir o perfume.

Fiquei feliz em saber que o Angel (Thierry Mugler), perfume que uso no frio, à noite, é “transcedente” na opinião dele. Para mim, enjoou um pouco de tanto eu usar, mas de fato a fragrância é admirável e diferente das fragrâncias doces existentes. Enquanto isso, o The Beat (Burberry), que eu uso frequentemente – até enjoar, provavelmente -, é apenas “De tirar o fôlego” para Chandler, porque poderia ‘ter sido mais’. Discordei em partes, porque adoro esse perfume e não é nada enjoativo – posso falar dele em outro post.

Enfim, você pode concordar e também discordar de Chandler, mas não pode deixar de passar na página do Uol e ver o que ele acha do perfume estrangeiro que você está interessada(o).

Fiquei inspirada! Será que arrisco a fazer resenhas de perfumes? 🙂

Para começar a postar sobre perfumes é preciso informar antes e esclarecer algumas questões.

O texto abaixo foi escrito por mim quando eu trabalha em uma revista sobre cosméticos e achei legal postá-la aqui justamente para cumprir a função de informar. Por isso, abaixo está ele na íntegra pra você não errar na escolha do perfume! 🙂


Oh my! São tantas opções…

Dificilmente há uma pessoa que não use perfume, seja para agradar a si mesma quanto a quem está por perto. Atualmente há vários perfumes no mercado, para todos os gostos, o problema é acertar qual usar de acordo com o clima, personalidade e gosto pessoal.

O osmólogo especialista em aromas Fernando Amaral, fundador da World’s Natural Fragrancies (WNF), afirma que a escolha do perfume é pessoal e que, antes de tudo, é preciso que a fragrância agrade e transmita a personalidade de quem a usa. “O gosto olfativo é indiscutível e é regulado pela memória ancestral olfativa que possuímos, além da memória representada por vivências positivas com determinados cheiros”, conta.

Elaborado a partir de óleos essenciais aromáticos, o perfume se distingue em termos que muitas vezes não são entendidos pelos consumidores. Para conseguir saber qual é a melhor escolha, é importante entender o que cada termo quer dizer.

A nomenclatura de cada perfume é definida de acordo com a concentração dos ingredientes aromáticos (veja quadro abaixo). Para o clima quente, é recomendada a aplicação de pequenas doses do perfume durante o dia para não provocar repulsa ao cheiro, caso tenha muita concentração aromática. “Perfumes são substâncias voláteis, com o aumento de calor sua velocidade de evaporação aumenta e por sua vez sua intensidade. O limite do bem estar está relacionado à sua invasão ao olfato, se invadir muito vai incomodar”, indica Fernando.

Parfum (Perfume): 15-40% de ingredientes aromáticos
Eau de Parfum: 10-20% de ingredientes aromáticos
Eau de Toilette: 5-15 % de ingredientes aromáticos
Eau de Cologne (Água de Colônia): 3-8% de ingredientes aromáticos

Há vários aromas envolvidos na composição do perfume, que é dividido em fases de difusão. São três tipos de famílias olfativas que permitem sentir diferentes sensações durante a utilização do perfume. O osmólogo explica: “A nota de cabeça, ou de saída, é aquela que explode o cheiro do perfume nos primeiros minutos. A nota do coração, ou de corpo, é a que aparece entre 20 minutos a três horas da aplicação e formam o corpo do perfume. Por fim, a nota de fundo, ou de fixação, é a que mais permanece e pode durar de 24 horas para mais”.

Como escolher

A fragrância de um perfume pode variar de pessoa para pessoa devido ao odor que cada uma exala. “Os seres humanos produzem dois tipos de odores: o odor écrino, que provém do suor, e o odor apócrino, que é proveniente das emoções e estado de espírito”, descreve. Por este motivo, não é recomendada a compra de um perfume porque fica agradável em outra pessoa.

As famílias olfativas do perfume, que também devem fazer parte da decisão de compra do consumidor, podem ser indicadas como cítricas, amadeiradas, florais, herbais, frutais, frescas, doces, especiadas (tempero). “Os homens preferem perfumes cítricos lenhosos e as mulheres preferem os florais, frutais, cítricos ou doces, mas o motivo dessas preferências tem a ver com gosto pessoal e a capacidade de estimular hormônios que os perfumes possuem. Na natureza as fêmeas reagem mais rápido as flores enquanto os machos marcam seus territórios nas madeiras”.

Para não fazer a compra errada e deixar o produto encostado, lembre-se da dica de Fernando: “a maioria das perfumarias oferece a possibilidade de experimentar seus perfumes, então um teste pode ajudar bastante a tomar esta decisão. Nunca se deve comprar um perfume sem ter a certeza de que gosta verdadeiramente do cheiro dele”.

Além disso, escolher o perfume certo é mais complicado do que parece, pois deve haver identificação com o aroma. “As afinidades entre pessoas e seus perfumes não se processam pela pele como muitos imaginam, vejo a personalidade e o estado de espírito como mais importante para essa sintonia ocorrer”, acrescenta Fernando.

Conservação e aplicação

Para conservar e manter a qualidade do produto é necessário manter os frascos longe da luz e do calor, assim, o perfume pode durar anos. A aplicação do perfume deve ser moderada e feita em partes do corpo onde há grande circulação de sangue, ou seja, em locais que sejam mais quentes. Isso porque o álcool do perfume deve evaporar e deixar na pele apenas os aromas do perfume – que aos poucos se dissolve na pele e se mistura com o odor naturalmente exalado por quem usa. “Pode ser aplicado nos pulsos, nuca e nas laterais do pescoço. Outra dica é que nunca se deve friccionar o local com perfume”, esclarece Fernando.

Lembre-se: use, mas não abuse!