23/08/2011 | Por Viviam Santos | Variedades |

AH! O amor… Um tema difícil e polêmico. Difícil também de entendê-lo de início, quando sentimos por alguém que não seja da família. Principalmente por aquela pessoa especial. Será amor? Mas afinal…

O que é amor?

Considerando, nesta reflexão, o amor por uma pessoa – namorado, marido, etc.

Segundo o Wikipedia:

“A palavra amor (do latim amor) presta-se a múltiplos significados na língua portuguesa. Pode significar afeição, compaixão, misericórdia, ou ainda, inclinação, atração, apetite, paixão, querer bem, satisfação, conquista, desejo, libido, etc. O conceito mais popular de amor envolve, de modo geral, a formação de um vínculo emocional com alguém, ou com algum objeto que seja capaz de receber este comportamento amoroso e enviar os estímulos sensoriais e psicológicos necessários para a sua manutenção e motivação. É tido por muitos como a maior de todas as conquistas do ser.”

Segundo o dicionário Michaelis:

“a.mor (lat amore) sm 1 Grande afeição de uma pessoa por outra. 2 Afeição, grande amizade, ligação espiritual. 3 Carinho, simpatia. 4 O ser amado.”

Segundo eu mesma:

Tudo citado acima sentido por uma pessoa! E mais.

Esse amor é maior que paixão. Você morre de vontade de estar com essa pessoa, mas fica tranquila ao mesmo tempo porque sabe que estará junto em breve e que o amor continuará mesmo longe.
É maior que carência. Você se sente sozinha longe dele(a), mas sossega quando sente a presença da pessoa em forma de pensamento.
Maior que desejo. Você sente o desejo de estar, ser e tudo o mais com a pessoa! Maior que afeição, que compaixão ou amizade. Em dobro, porque ama.

É também aceitar o que achamos que é defeito. Afinal, todo temos. As qualidades, achamos mais quando amamos.

Também é perdoar. Mas não é o sentimento de carência onde a pessoa só perdoa e nunca recebe nada de bom em troca. É a aceitação de um erro, sabendo que a pessoa é muito maior que aquilo. E significa mais que aquilo.

Amar é, ainda, não esperar recompensas por ter este sentimento. Apenas sente.

É claro que é infinitamente melhor quando a pessoa ama de volta e demonstra sentimento, mas quem ama não deixa de amar porque o outro não demonstrou num dia que ama igualmente.

Contudo, o amor é inexplicável!

Ou seja, tudo dito até aqui serve só pra uma introdução – o sentimento do amor só será definido quando você sentir de verdade.

E não venha me dizer “AMO um carinha que fico há algumas semanas”. Colega, você sente tudo o que se sente quando há amor verdadeiro, só que numa proporção indiscritivelmente menor. Ou seja, não é amor! É qualquer outra coisa, mas não amor. Paixão, carência, até imaginação! Amor, não.

(Aliás, é nessa que entramos no assunto “banalização do amor”, tão comum hoje em dia.)

Para mim, amor se constrói. E os materiais dessa construção só são comprados com o tempo. O amor é sentido naturalmente e sem forçar, às vezes até de forma imperceptível. É um sentimento que cresce com o conhecimento do outro, com discussões, amizade, sinceridade, e muita convivência. Essa última, por sinal, tem o maior peso quando o amor está sendo construído. Afinal, só sabemos que o sentimento que há sobreviverá à convivência – que pode ser a vilã quando se conhece a fundo a outra pessoa, e ser motivo de separação. E então voltamos à chave de como surge o amor: tempo. O tempo constrói a convivência. Logo, constrói amor.

É claro que há exceções. Conheço vários casais que estão juntos há anos e não vejo amor na relação. Ou seja, o amor SEMPRE é sentido após um bom tempo e convivência. Mas nem sempre a convivência e o tempo levam ao amor.

Resumindo: O amor é difícil de explicar e não tão fácil de sentir.

“AMOR
É como Deus, em que se crê ou não
Dependendo da sua experiência
A maioria tem, e uma minoria o procura eternamente
Mesmo sem admitir.
(@patty_chamorro)

Então, que tal viver e se apaixonar? Sem se atrelar aos rótulos de sentimentos?

Que tal perceber a realidade e apenas seguir a vida? Deixar com o tempo, vivendo bem enquanto isso?

Por quê se prender no “eu amo ele” como desculpa para ficar sofrendo? Aliás, nenhum outro sentimento é desculpa para ficar sofrendo.

Apesar do amor ao outro, que é muito maior que amizade ou paixão, é importante ter amor a si mesma! Sempre. E em primeiro lugar, quando a outra pessoa te rebaixa de alguma forma. Ou várias formas.

Quer saber o que é o amor? Ou o que você está sentido? Deixe que o tempo dirá.

Conselho de quem namora há mais de 5 anos e descobriu o amor só com o tempo.

email
  • Aeeeeeeeeeee Viviiii!! Falou e “dizeu” como sempre!!! Bjinhos cheio de amor de amiga! (Construído tb através do tempo, né? 😉 )

  • Clarooo! Saudadesss!

  • Pingback: Viviam Santos()

  • Pingback: Viviam()

  • Leide_tenorio

    estou com minha cabeça cheia de baloezinhos em relação ao amor estou vivendo um relacionamento cujo o que sinto esta relacionado ao texto. mil duvidas…rsrsrrs