08/08/2011 | Por Colaboração | Saúde | ,

“Contém glúten” ou “não contém glúten”. Com certeza você já deve ter lido isso em alguma embalagem. Porém, poucas pessoas têm conhecimento do que é o glúten – apesar desse nutriente ter ganhado espaço nas dietas ultimamente, prometendo enxugar a silhueta.

O glúten é uma proteína, que está presente em todos os alimentos que levam trigo, centeio, cevada, aveia ou malte. É uma proteína importante na fabricação de pães e massas, pois é ela quem dá a consistência.

A informação na embalagem dos alimentos serve para alertar o consumidor à presença do nutriente que está ligada a doença celíaca, com o intuito de proteger essas pessoas sensíveis.

Mas o que é a doença celíaca? Os celíacos não produzem uma enzima responsável pela “quebra” do glúten, portanto quando essa pessoa ingere a proteína causa desconforto intestinal, causando irritabilidade, abdômen estufado, gases, vômito, diarréia e até anemia.

Ultimamente se fala muito em dieta sem o glúten, apontando que o nutriente favorece a redução de peso e proporciona maior disposição, bem como a diminuição do inchaço abdominal. Porém muitos especialistas afirmam que a doença celíaca é o único problema de saúde que exige a retirada total do glúten da alimentação. Uma boa comparação é: O glúten só faz mal a quem tem doença celíaca, assim como o açúcar para os diabéticos. Não existe nenhum estudo científico que condene esse componente do trigo, nem a relação do nutriente com a redução de circunferência abdominal, muito menos a relação dele com a obesidade.

Entretanto, ao ser removido do cardápio, o indivíduo pode sentir uma melhora na digestão com um efeito adicional: perda de peso. Uma perda que seria observada se tirasse qualquer outro item do cardápio.

Criou-se uma informação sem comprovações científicas dos malefícios do glúten. A tradução para essas dietas é simples: quando se evita alimentos com glúten, que está presente em muitas fontes de carboidratos, haverá redução de calorias e de peso.

A busca pela redução de peso faz com que dietas restritivas façam parte do cenário da saúde, em busca de uma solução. Restrição alimentar nunca será uma opção saudável, a menos que seja indicado por especialistas. A melhor alternativa é optar por um cardápio diversificado e saudável, para a redução de peso com segurança.

Curiosidade:

No mundo, a maior incidência de doença celíaca foi registrada na Argélia, que possui uma criança com o problema para cada grupo de 18. Os cientistas ainda não sabem dizer se o mal é genético.

email